Trebā

Sê bem vindo(a) ao nosso sítio virtual!

Brigaecoi - CDPB - logotipo

“Brigaecoi” – Castro da Paraíba é uma organização civil e religiosa paraibana, fraternal, que se auto denomina de “Castro”, sem fins lucrativos, com sustento, propagação e governo próprios, fechada, composta por praticantes ou adeptos da religião céltica politeísta renovada focada culturalmente nos antigos povos celtas e congênres da Península Ibérica, de antes da romanização até a cristianização.

“Brigaecoi” em galaico (e muito provavelmente em lusitânico) significa “os da colina/castro; castrejos”; outra opção de grafia seria “Brigaeci” [/brigaeki/] (em vistas do nominativo plural dos temas em -o ter evoluído do final -oi para -i). Do Protocéltico *brig- (“outeiro, colina, monte”) + o sufixo *-āko– (que geralmente indica relação, pertencimento). O Castro surgiu no início de 2010 passando por algumas modificações e amadurecimentos desde então.

Crenças e Moralidade.

Somos politeístas, afeitos ao Tradicionalismo e a visão de mundo Indo-Européia (cosmologia, trifuncionalidade duméziliana, etc.), reconstrucionistas, à moral heróica e aristocrática, cultores da ancestralidade e das manifestações imanentes do divino. Favorecemos uma visão tribalista, familiar, que busque consistência, integralidade, resgate das raízes da herança cultural, dos saberes e valores tradicionais. Acreditamos também que algumas ferramentas tecnológicas nos são úteis e não devem ser desprezadas.

Neste contexto, as doutrinas religiosas específicas e os ensinamentos morais, assim como suas respectivas fundamentações filosóficas, são passados oralmente e dentro do convívio grupal, sendo a escrita (sobre tais assuntos) que não tenha fundamento da experiência pessoal e concreta desestimulada. Acreditamos que a comunidade religiosa deve ser orgânica, baseada no convívio real e na orientação pelos princípios perenes da Tradição.

Contato.

Para maiores informações, entra em contato pelo e-mail brigaecoi@gmail.com. Estamos também no Facebook e no Google+.

One thought on “Trebā

Os comentários estão fechados.